Deputado solicita da Cohapar informações sobre a aplicabilidade do Estatuto da Pessoa com Deficiência nos programas habitacionais
22 de fevereiro de 2021
Secretaria de Justiça amplia prazo para entidades que atendem crianças pleitearem benefício de R$ 75 mil
23 de fevereiro de 2021

Deputado solicita informações sobre a matrícula de pessoas com deficiência nos centros educacionais

O Deputado Estadual Subtenente Everton protocolou Requerimento nº 0302924/2021, em que solicita ao Secretário da Educação e do Esporte, Renato Feder, envio de expediente relativo ao processo de matrícula nos centros educacionais. Neste requerimento, o Deputado pergunta quais documentos são solicitados para a efetivação da matrícula inicial de pessoas com deficiência nas escolas públicas estaduais; a legislação que fundamenta a necessidade de apresentar os documentos; os documentos solicitados na rematrícula e sobre o laudo médico. Também, o parlamentar pergunta o prazo de validade dos laudos para a Secretaria de Educação quando não há validade escrita em seu conteúdo e se é exigência da SEED a solicitação do laudo para a rematrícula tem sido feita de forma anual.

Com relação aos questionamentos relacionados ao laudo médico para comprovação da deficiência nas rematrículas dos estudantes, o Deputado Subtenente Everton explica que “o laudo médico é um documento que comprova quando uma pessoa tem deficiência, por esse motivo, a Seed solicitar ao estudante uma nova cópia do laudo torna o procedimento de rematrícula burocrático, e se a Secretaria de Educação e do Esporte resolver fazer mudanças para a documentação das rematrículas e atender minha solicitação de forma efetiva facilitará para a família, o estudante com deficiência e as escolas públicas, porque o laudo médico que consta na matrícula inicial é permanente e pode ser utilizado sempre”, esclarece o parlamentar.

Laudo para atestar a condição de autista tem validade indeterminada no Paraná

Os laudos médicos periciais para a comprovação do Transtorno do Espectro Autista (TEA) em todo o estado terão que ser emitidos de maneira definitiva e apresentar o prazo de validade indeterminado. É o que determina a Lei 20371/2020, que já está em vigor. A proposta foi apresentada na Assembleia Legislativa do Paraná pelo deputado Subtenente Everton (PSL), aprovada por todos os deputados e, agora, sancionada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior. Com a lei, o documento poderá ser emitido observando os requisitos estabelecidos na legislação pertinente, passando a ter prazo de validade indeterminado.

O autor da proposta ressaltou que “é injustificável a emissão de laudos com validade determinada e totalmente descabida qualquer existência de laudos atuais para a comprovação da condição de autista. Tornar o laudo sem prazo de validade facilitará a vida das pessoas com esse transtorno e de também seus familiares”.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support